quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Um Santo Natal

Neste Natal unamo-nos a Ele, doce Menino, que se encarnou para mostrar aos homens que o amor é o grande remédio para os problemas do mundo.

E peçamos a Sua Santíssima Mãe, que nos cubra com o seu Manto de Paz.

Que a Sagrada Família nos cubra e a toda a nossa família com as maiores graças neste Natal de 2010.
UM SANTO NATAL E UM PRÒSPERO ANO NOVO

sábado, 22 de maio de 2010

6 de Junho de 2010 - XVII - Encontro/Convivio

Camaradas é já no dia 6 de Junho que nos vamos encontrar em Vagos na "Casa do Moliço"
Programa
10h00 - Boas vindas (Pequeno almoço)
12h00 - Missa pelos presentes e ausentes (falecidos e não só)
14h00 - Almoço (bom apetite)
17h30 - Sobremesas (cuidado com os doces)
Camaradas o tempo é de crise mas será que para o ano será melhor?
Eu por mim vou aproveitar este, para o próximo logo se vê.

Adultos ------------ 30€
Dos 5 aos 10 anos--- 15€

Inscrições:
João Neto
Tel. 234083920 Tm. 966574823 ou 966572717
E-mail: neto.fernandes.carlos@gmail.com

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Angola: sofrimento dos refugiados é inimaginável

Sofrimento inimaginável e condições desumanas foram denunciados pelo Padre Andrzej Halemba e Ulrich Kny, da organização católica internacional Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), que estiveram em Angola durante duas semanas e puderam visitar alguns dos campos de refugiados na cidade de Damba, no Norte do país lusófono.
O Governo da República Democrática do Congo (antigo Zaire) e a vizinho República do Congo, promoveram a expulsão de cidadãos angolanos que viviam há décadas nestes países. O método das autoridades foi considerado como brutal: em muitos casos, a polícia e grupos civis chegaram sem aviso prévio e ordenaram ao povo angolano que saísse do país imediatamente.
A crise teve o ponto alto na primeira quinzena de Outubro na sequência da expulsão, pelas autoridades angolanas, de congoleses das regiões de minas de diamantes, grande parte em situação ilegal no país. A RDC retaliou com a expulsão dos angolanos.
A Organização Mundial de Saúde, o Unicef, a Organização da ONU para a Agricultura e Alimentação (FAO), a Igreja Católica e as autoridades angolanas têm mobilizado recursos para minorar o impacto social e económico dos milhares de repatriados na sociedade angolana.
Histórias sofridas
Os trabalhadores angolanos foram demitidos e os alunos expulsos das escolas. Milhares de pessoas foram forçadas a voltar imediatamente para Angola, sem ao menos poderem reunir os seus poucos haveres.
As famílias estão a ser dilaceradas neste processo e as crianças foram deixadas para trás sozinhas, incapazes de encontrar os seus pais na confusão impiedosa. Aqueles que se casaram com congoleses tiveram que se separar e viver sem o cônjuge.
Muitas vezes os refugiados, incluindo mulheres grávidas, idosos e doentes, foram obrigados a viajar aproximadamente 900 quilómetros a pé, informam os dois representantes da AIS.
Ambos contaram a história de uma mulher que, após uma cirurgia nas costas, foi obrigada a andar mais de 100 quilómetros a pé. Outras mulheres deram a luz enquanto regressavam para Angola, no meio da estrada.
Um rapaz de 15 anos chegou a um dos campos de refugiados com os pés em sangue, depois de andar dias. Muitas pessoas chegam aos campos de refugiados sem ter comido nada durante dias.
Um total de 25.185 angolanos foram expulsos de forma compulsiva da vizinha RDC - entre eles 16.666 adultos, 4.143 idosos, 4.199 crianças e 135 pessoas com deficiência - deram entrada na província do Uíje, desde o início do processo.

O apoio da Igreja
As duas dioceses angolanas do Uíje e Mbanza Congo, enfrentaram e continuam a enfrentar o desafio de ajudar milhares de refugiados famintos, exaustos e em muitos casos gravemente doentes. Por exemplo, no município de Damba foram criados cinco campos de acolhimento, mas devido às fortes chuvas, as condições do solo em que as tendas foram montadas eram completamente catastróficas. Poças enormes formaram-se até mesmo dentro de algumas das barracas.
Ulrich Kny relata: "Alguns dos refugiados tentaram continuar a seguir em frente, com os seus parentes, para outras aldeias. Outros não têm qualquer ideia para onde ir, as suas aldeias foram totalmente destruídas durante a guerra civil e todos os seus familiares fugiram. Outros ainda foram recusados pelos seus familiares e acabaram por regressar, ainda mais profundamente feridos, a um dos campos de acolhimento".
Em Damba quatro capuchinhos franciscanos e quatro irmãs da Misericórdia estão a cuidar dos inúmeros refugiados. As irmãs abriram o seu convento para servir de abrigo, mas o espaço é pouco para tantos, o que ocasiona procura de abrigo em construções vazias ou inacabadas da cidade.
"Os capuchinhos e as irmãs estão a ajudar tanto quanto podem. Estão a distribuir alimentos, utensílios, fraldas, remédios e roupas. Verificam ainda se todos os refugiados foram vacinados contra o tétano, poliomielite e outras doenças e também fornecem ajuda espiritual e apoio psicológico para todo este sofrimento", relata o P. Halemba.
Todos os dias, estes religiosos cuidam de centenas de pessoas, enquanto dezenas de voluntários da paróquia também estão a ajudar.
A expulsão de dezenas de milhares de angolanos dos dois Congos é vista como um flagrante acto de "vingança" pela expulsão de refugiados congoleses ilegais em Angola, que começou há dois anos.
Ao contrário desta acção, no entanto, a expulsão dos dois Congos não se limita aos imigrantes ilegais, mas é dirigida contra todos os angolanos, que vivem legalmente nos dois países, quer como refugiados da guerra civil angolana ou por outras razões, explicaram os dois representantes da AIS.
Os bispos das dioceses de Uíje e Mbanza Congo apelaram à AIS para ajudar os refugiados.